Monday, February 13, 2006

Como um poeta vulgar

Como um poeta vulgar,
hoje eu sou meu amor, minha dor e a saudade da minha terra
Eu sou vadio, rimo a areia na música dos meus sapatos,
eu sou outro lugar.

3 comments:

Tataia said...

eu gosto. gosto mesmo! de tudo o que você escreve.

por favor não entre no meu blog!

ass: ninguém.

The Damned Tripper said...

Obrigado pelo comentário, garota e feliz aniversário.

nati said...

obrigada pelo feliz aniversário.
obrigada também por mudar o negócio de comentário restrito.
Mas ainda assim...eu pedi pra você não entrar no meu blog.