Tuesday, August 12, 2014

À Morte


A altura da queda, 
e a navalha na carne que rasga, 
o dia que rasga 
a vida. 

Eu conheço o seu perfume 
e respeito silenciosamente a sua liturgia. 
Oh grande senhora, 
mãe inevitável das tardes, 
ansiosa pelo agora 
ou solenemente esquecida. 
Da vida nada lhe escapa, 
nenhum fio de beleza suspensa, 
nenhum segundo, 
nenhum dia. 

Se os meus filhos já são seus, 
mesmo antes de nascerem, 
também serão seus os meus segredos 
mais envergonhados. 
Nobre senhora, 
quantas vezes me rondou a convite meu? 
Quantas vezes foi embora?

No comments: